Dióxido de carbono para a produção de pisos esportivos

0
758

Ajuste com o CO2: Pela primeira vez, os pisos sintéticos para esportes podem ser produzidos com dióxido de carbono – o que significa que menos petróleo bruto é necessário como matéria prima. O primeiro contrapiso deste tipo no mundo foi inaugurado na instalação de jogos de hockey de um renomado clube de esportes no oeste da Alemanha. O novo material especialmente sustentável é originado do fabricante de materiais Covestro, que desenvolveu um processo revolucionário para utilização de CO2 na maturidade do mercado. Isto pode economizar até um quinto de petróleo bruto na produção – uma contribuição inovadora para preservação de recursos e controle de reciclagem.

 

O CO2 para contrapisos é retido em um aglutinante – ou, mais precisamente, em um de seus componentes, o chamado poliol. Até esse momento, o novo material à base de CO2, chamado cardyon, vinha sendo utilizado para produzir espuma macia de poliuretano para colchões e móveis estofados, que já estão sendo comercializados. O desenvolvimento para uso nos esportes é, agora, o próximo passo na expansão da gama de aplicações.

 

Utilizando CO2 e economizando petróleo

“O uso de dióxido de carbono como uma nova matéria prima é uma abordagem promissora para tornar a produção na indústria de químicos e plásticos mais sustentável”, explicou o Dr. Markus Steilemann, CEO da Covestro. “Desta forma, nós utilizamos CO2 em um processo de loop fechado e economizamos petróleo. Baseados nisto, queremos oferecer uma carteira de produtos abrangente, para o máximo de áreas de aplicação possível – alinhados com nossa visão de deixar o mundo um lugar mais brilhante”.

 

O primeiro cliente para o novo aglutinante produzido com CO2 é o produtor de pisos esportivos atuante em todo o globo, Polytan. A empresa de Burgheim, na região da Bavária, que pertence ao Sport Group, utiliza o material para produzir contrapisos elásticos junto com o granulado de borracha. “Nós damos grande importância ao uso de matérias primas sustentáveis e estamos sempre buscando alternativas mais ecologicamente sensíveis aos produtos convencionais. Preferencialmente, até mesmo a qualidade do produto pode ser melhorada. A Covestro garante exatamente isso com o cardyon”, disse o Gerente de Compras do Sport Group, Daniel Klomp.

 

O primeiro piso à base de CO2 agora está sendo utilizado no “Crefelder Hockey and Tennis Club”. O tradicional clube mantém uma das principais instalações de quadras de hockey na Alemanha, que serve repetidamente como um local para jogos e campeonatos internacionais. O contrapiso foi feito em uma quadra de jogos de 99 x 59 metros e serve para amortecer o efeito de um novo piso artificial azul brilhante, também da Polytan. “O esporte não é apenas saudável, ele também pode contribuir para a sustentabilidade. Estamos comprovando isso com a recém-equipada quadra de hockey, que certamente deixará nosso clube ainda mais atraente”, explicou o gerente do clube Robert Haake.

 

Tecnologia Inovadora

O uso de CO2 como uma matéria prima para plásticos foi possibilitado por uma tecnologia especialmente amiga do ambiente que a Covestro desenvolveu com seus parceiros. O CO2 é utilizado como um fornecedor do importante elemento de carbono – ao invés das matérias primas baseadas em petróleo. Até 20% das matérias primas de fóssil tradicional podem, então, ser substituídas pelo dióxido de carbono. A Covestro produz os novos poliois à base de CO2 em sua unidade de Dormagen, próxima à Colônia. O dióxido de carbono vem de uma empresa química vizinha, que o produz como um subproduto.

 

Encontre mais informações em www.covestro.com.

Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/Covestro