Visitante da Mecânica 2016, Akaer é projetista da Embraer e do caça sueco Gripen

0
531

“[A feira] é o local onde você vai encontrar as pessoas que estão trabalhando no desenvolvimento de que precisamos. O setor industrial é que vai gerar desenvolvimento e riqueza para o país. Não tem outra forma”.

A Akaer é a empresa brasileira responsável pela transferência de tecnologia do caça sueco Gripen para o Brasil, e acumula no portfólio inúmeros projetos para a Embraer e o CBERS, programa espacial desenvolvido entre Brasil e China. A empresa, que estará presente na Feira da Mecânica 2016, também faz parte do Conselho Consultivo de Compradores do evento, e tem como principais interesses tecnologias de manufatura digital/indústria 4.0ambas grandes temáticas da Mecânica para o ano que vem.

CEO da empresa, César Augusto Teixeira Andrade Silva explica que a estratégia da Akaer é se posicionar como solução para o gap considerável entre pequenas empresas e a Embraer, empresa onde fez uma bem sucedida carreira. “Como supervisor na Embraer, participei da primeira equipe enviada à Itália, para desenvolver o AMX [avião de caça surgido em 1984, desenvolvido em joint-venture ítalo-brasileira]. Na volta para o Brasil, fui nomeado gerente de seção, sendo responsável por toda a engenharia de estruturas da Embraer, isso em um período de três, quatro anos. Isso foi devido à minha postura de não me acomodar, de buscar inovar, de vincular os resultados à minha atuação direta, à criatividade e à inovação. Esse sempre foi meu objetivo. A Embraer teve a competência de decidir os caminhos melhores e os produtos melhores, e ser competitiva no mercado mundial”.

A Akaer também firmou parcerias com empresas como Boeing e Airbus. Com a Boeing, participou do desenvolvimento do 747-8, o novo Jumbo. “Para a Airbus, através de uma empresa alemã, fizemos toda a revisão da cablagem da cabine de comando do A380. Outro trabalho que fizemos para a Airbus, dessa vez através de uma empresa belga, foi desenvolvimento de engenharia para o A400-M”, explica Andrade Silva.

No caso do desenvolvimento dos caças Gripen para a Força Aérea Brasileira, a Akaer foi protagonista. O início da parceria com a empresa sueca Saab, fabricante do avião, foi em 2009. “Optamos por essa parceria quando na época não era uma das favoritas para ganhar a concorrência aqui no Brasil, mas nós acreditávamos na solução deles. Existem várias maneiras de ocorrer transferência de tecnologia. No caso de parcerias com empresas americanas, haveria transferência de tecnologia de tudo que fosse permitido pelo congresso americano e em cima de produtos já existentes. No caso de uma parceria com a Rafale da França, haveria uma transferência total de tecnologia, mas que tipo de transferência? Cursos, aulas, treinamentos? No caso da Saab, o grande incentivo era o fato de que o projeto estava em desenvolvimento, fazendo com que a transferência de tecnologia ocorresse on-the-job. Então, a partir de 2009, mandamos uma equipe para a Suécia. Após o seu retorno, montamos uma área para que os suecos viessem para cá. Nesse caso, a transferência de tecnologia é real, pois estamos fazendo juntos”.

O envolvimento foi tão grande que a Saab adquiriu 15% da Akaer e com essa porcentagem, trouxe para a parceira brasileira uma grande bagagem tecnológica. “Agora, estamos tentando criar nosso próprio instituto de tecnologia. Estamos em um projeto de implantação de manufatura 4.0 – a manufatura digital.”

Nesse contexto, o executivo acredita que a Feira da Mecânica proporciona boas oportunidades de acesso às novas tecnologias. “Inclusive, já fomos expositores. A nossa experiência sempre foi muito boa, foi onde tivemos os melhores contatos, acesso a diversas tecnologias. É o local onde você vai encontrar as pessoas que estão trabalhando no desenvolvimento de que precisamos. O setor industrial é o setor que vai gerar desenvolvimento e riqueza para o país. Não tem outra forma. Hoje a nossa perspectiva é diversificar, não ficar só no mercado aeroespacial, mas continuarmos atuando no mercado de defesa e em outros mercados que requeiram desenvolvimento tecnológico. Nós temos um planejamento estratégico de atuar na área de espaço, na área de petróleo e gás, na área de mineração e na área de comunicação”.
***

A Feira da Mecânica chega à sua 31ª edição em 2016. A entrada é gratuita para profissionais do setor, que podem fazer o credenciamento online e imprimir a credencial em casa, antes de chegar ao evento.

A Reed Exhibitions Alcantara Machado espera um público qualificado de 90 mil visitantes/compradores que entrarão em contato com as mais modernas tendências em máquinas, equipamentos e sistemas de manufatura industrial. Em sua última edição, em 2014, a Mecânica obteve 98% de satisfação de visitantes e expositores, com base em uma pesquisa aplicada durante a feira.

 

Serviço:
31ª FEIRA INTERNACIONAL DA MECÂNICA
Data: 17 a 21 de maio de 2016
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi
Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana – São Paulo – SP – Brasil
http://mecanica.com.br