Exportações de calçados caem em setembro

0
317

Dados elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) apontam para uma queda nas exportações em setembro. No mês nove foram embarcados ao exterior 9,86 milhões de pares que geraram US$ 71,64 milhões, quedas de 14% em volume e de 26,2% em receita na relação com o mês correspondente do ano passado. Com isso, no acumulado dos nove meses do ano, o setor calçadista soma o embarque de 78,87 milhões de pares por US$ 700 milhões, quedas de 10,7% e de 12%, respectivamente, no comparativo com igual ínterim de 2017.

O presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, avalia que o resultado aponta para a concretização dos efeitos do cenário internacional, especialmente com a desvalorização das moedas dos países emergentes, alguns dos principais mercados para o calçado brasileiro. “Se o dólar valorizado favorece a formação de preço para o exportador brasileiro, esse efeito é neutralizado quando a moeda do importador também está desvalorizada”, comenta, ressaltando que em muitos dos países compradores as moedas locais depreciaram ainda mais do que no Brasil, encarecendo o produto verde-amarelo. “Na Argentina, principal mercado do calçado nacional, o peso argentino desvalorizou mais de 100% nos primeiros nove meses do ano”, exemplifica.

Nos primeiros nove meses de 2018, o principal destino do calçado brasileiro foi a Argentina, para onde foram embarcados 9,4 milhões de pares que geraram US$ 115 milhões, altas de 13,2% em pares e de 16,4% em dólares no comparativo com período correspondente do ano passado. “Por outro lado, as exportações para a Argentina, que vinham crescendo no primeiro semestre, somaram uma queda de 54% nos dois últimos meses, no comparativo com seus correspondentes do ano passado, por conta da desvalorização do peso e pela crise do país”, comenta Klein.

O segundo destino dos nove primeiros meses foi os Estados Unidos, para onde foram enviados 6,45 milhões de pares que geraram US$ 108,82 milhões, quedas de 14% e de 21,6%, respectivamente, no comparativo com o resultado do mesmo ínterim do ano passado.

Ocupando o terceiro posto dos destinos internacionais, a França comprou 5,3 milhões de pares por US$ 43,37 milhões, incrementos de 37,6% e de 6,5%, respectivamente, no comparativo com os nove primeiros meses de 2017.

Origens
Nos nove meses, o principal exportador de calçados do Brasil foi o Rio Grande do Sul. No período, os calçadistas gaúchos embarcaram 19,9 milhões de pares que geraram US$ 318,38 milhões, quedas de 5,2% em pares e de 6,4% em receita no comparativo com igual período do ano passado.

O segundo maior exportador do período analisado foi o Ceará, de onde foram embarcados 28,33 milhões de pares que geraram US$ 164,9 milhões, quedas de 13,2% e de 14,5%, respectivamente, em relação ao mesmo ínterim de 2017.

Também em queda, o terceiro exportador do ano foi São Paulo, de onde partiram 5,28 milhões de pares por US$ 78,66 milhões, quedas de 10% em volume e de 10,5% em receita no comparativo com o ano passado.

Importações
No mês nove, entrou no Brasil 2 milhões de pares, pelos quais foram pagos US$ 28,6 milhões, números que são menores tanto em pares (-9%) quanto em receita (-22,8%) em relação ao mesmo mês do ano passado. Com isso, no acumulado foram importados pelo Brasil 21,8 milhões de pares por US$ 275,7 milhões, incrementos de 15,5% em volume e de 3,3% em valores no comparativo com mesmo ínterim de 2017. As principais origens das importações foram os países asiáticos: Vietnã (9,64 milhões de pares por US$ 154,5 milhões, altas de 15% e de 3,7%, respectivamente, na relação com igual período do ano passado); Indonésia (3 milhões de pares por US$ 49,78 milhões, quedas de 1,8% e de 3,4%); e China (6,8 milhões de pares e US$ 29,4 milhões, incrementos de 38,2% e de 19%).

Em partes de calçados – cabedais, palmilhas, solas, saltos etc – as importações alcançaram US$ 39,2 milhões, 32% mais do que no mesmo período do ano passado. As principais origens foram China, Vietnã e Paraguai. (Abicalçados)

Acesse as tabelas completas AQUI