Calçadistas projetam retomada com vendas das coleções de verão

0
305

Apesar da brusca queda na demanda interna por calçados, o setor aposta em retomada no segundo semestre, especialmente a partir dos negócios efetuados no mercado internacional. Essa é a expectativa do presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein, colocada hoje (17) para a imprensa nacional durante coletiva de imprensa realizada durante a Francal 2018, em São Paulo/SP. Também participaram do encontro o presidente da Francal, Abdala Jamil Abdala, e o presidente da Associação Brasileira dos Lojistas de Artefatos e Calçados (Ablac), Marcone Tavares.

 

Na oportunidade, Klein destacou que, apesar dos indicadores negativos, tanto no mercado doméstico como internacional (leia abaixo), a “saúde intramuros” do setor permite projeções melhores já no segundo semestre”. Para executivo, mesmo em meio à recessão econômica registrada nos últimos anos e a queda na produção – que gerou uma capacidade ociosa em torno de 35% nas fábricas de calçados – a atividade conseguiu manter alguma estabilidade, sem um número significativo de fechamentos de estabelecimentos. “Hoje, o setor está maduro e atento às questões de caixa, mantendo a redução de custos até o momento em que a situação esteja normalizada”, pontou. Segundo ele essa situação coloca uma possibilidade de almejar um segundo semestre positivo, especialmente para as empresas que estejam com estratégias definidas no mercado internacional, posto que a demanda doméstica deve seguir baixa até o final do ano e a cotação cambial favorável para formação de preços mais competitivos. “As coleções de verão, apresentadas durante a Francal, e que também serão expostas nas feiras internacionais nesta segunda parte do ano, devem dar um impulso às vendas de calçados. É a estação mais vendedora para os fabricantes brasileiros”, projetou o executivo.

 

Frequência de compras
O presidente da Ablac apresentou uma pesquisa realizada pela entidade em parceria com a Kantar Worldpanel, que aponta para uma queda de 1% nas vendas domésticas de calçados no comparativo entre maio deste ano com o mesmo período de 2017. Por outro lado, Tavares destacou a melhora na frequência de compras (de 13,8% no comparativo entre julho do ano passado e maio de 2018), o que permite boas expectativas para o varejo ainda em 2018. “O aumento na frequência significa mais oportunidades para a loja física, desde que essa entenda que o consumidor atual busca uma experiência diferenciada de compra”, comentou o dirigente, para quem o varejo do segmento deve crescer na faixa de 2% na segunda parte do ano, tanto em função do aumento da frequência de visitas ao varejo como de uma demanda reprimida dos últimos semestres. “Para 2019 as projeções são melhores, mas essa expectativa depende também do fato político – Eleições”, concluiu.